Retinoblastoma - Câncer ocular mais comum em crianças



Embora raro, o retinoblastoma está na lista dos tumores de alta malignidade, portanto

é meu dever como oftalmologista, esclarecer um pouco sobre o assunto.


O retinoblastoma é o câncer intra ocular mais comum em crianças entre zero e três

anos de idade, tem 60 a 75% como causa a sua esporadicidade, onde uma célula

sofre mutação e começa a se multiplicar descontroladamente. Os demais casos,

resultam de fator genético, onde ocorre a mutação no gene supressor de tumor

chamado RB1, presente em todas células do corpo ( inclusive nos óvulos e

espermatozoides), o que faz com que pais que tiveram retinoblastoma tenham 50 %

de chance de terem filhos com o mesmo tumor, segundo publicação do hospital do

câncer A.C.Camargo.


Seu aparecimento responde por 3% dos canceres infantis e acomete 1 em 15 mil

crianças com mais de 1 ano e 1 em 18mil dos nascidos vivos 1-2.

O retinoblastoma, chamado assim por acometer a parte posterior do olho, a retina, é

conhecido também por causar o “olho de gato” ao desenvolver uma área branca e

opaca nas pupilas(“meninas dos olhos”) causada pela reflexão da luz no tumor.


Ele pode ocorrer em um ou em ambos os olhos, muito embora o bilateral quase

sempre seja hereditário e costuma ser diagnosticado mais cedo.

Inicialmente apresenta pouco ou nenhum sintoma o que torna maior a importância de

se fazer exame nos olhos das crianças menores. Vários exames podem confirmar seu

diagnóstico, entre eles estão exame de fundo de olho ou o mapeamento de retina,

ultrassonografia ocular, biomicroscopia de fundus dos olhos, tomografia e ressonância

magnética das órbitas e do cérebro.


A boa notícia é que 9 em cada 10 crianças com retinoblastoma, quando buscam

centros especializados, são curadas. O objetivo do tratamento é curar o câncer e

preservar a vida da criança. O tratamento varia desde a retirada do olho (enucleação),

laser terapia ou crioterapia juntamente com a quimioterapia e/ou radioterapia.

Vale ressaltar que o diagnóstico precoce permanece como melhor ferramenta para

cura.


Claudia Maestri

M.D.PhD em oftalmologia


Referencias:

  1. Moll AC, Kuik DJ, Bouter LM, et al. Incidence and survival of retinoblastoma in The Netherlands: a register based study 1862-1995. Br J Ophthalmol. 1997;81:559-562.

  2. Krishna SM, Yu GP, Finger PT. The effect of race on the incidence of retinoblastoma. J Pediatr Ophthalmol Strabismus. 2009;46:288-293.

  3. P-R Rothschild, D Lévy, A Savignoni,L Lumbroso-Le Rouic et all Familial retinoblastoma: fundus screening schedule impact and guideline proposal. A retrospective study; Eyer journal volume 25, pages 1555–1561 (2011)

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo